sexta-feira, 3 de abril de 2015

Arqueiro


Encontrei o certo no momento errado

"Se ele não ligou, nunca te escreveu,
não vai prestar. Põe um fim"

Eu não entendo qual é a sua cara,
pois não vejo tua face.
Tu vem, tu vai. E eu nada. 
Eu aqui: sozinha e parada. 
Levantei e fui até a sacada, 
vi flores, muros e muralhas. 
Achei ter visto você passar e nada.
Não era você, então entrei e me joguei novamente na cama.
Desliguei a TV e comecei a jorrar. 
Sangue de lágrimas intensas. 
Um choro que ardia em meu peito, 
uma necessidade fora do comum, 
imensa.

Sua flecha saiu da mão direita,
parou em meu âmago, atravessando minh'alma.
Fincada em meu cerne.
Seu arco tão suspeito na mão esquerda e 
tão seguro de si.
De peito aberto e coração sangrando, 
as palavras se pincham da boca e a língua dança pra dizer:
eu te amo, arqueiro.

0 comentários: